• Em 1967, a Cargill abre um silo de cereais em Houston, no Texas, utilizando-o para abastecer os navios de exportação dos cereais para mercados internacionais.
  • O design revolucionário faz parte da iniciativa de modernização dos silos de cereais da Cargill, permitindo-lhe expedir volumes maiores de cereais para fora dos Estados Unidos.
  • O primeiro parceiro de exportação da Cargill foi a União Soviética. Depois de passar por uma época de colheita fraca, a URSS compra 1,6 mil milhões de alqueires de cereais norte-americanos — e a Cargill fornece 28% dessa enorme encomenda.

Uma nova geração de silos de cereais


O Presidente da Cargill, Erwin Kelm, prevê mudanças no mercado e faz um sábio investimento em terminais de exportação.

Quando a Cargill abriu um novo silo de cereais em Houston, no Texas, no final de 1967, as instalações eram mais conhecidas por tudo aquilo que não eram capazes de fazer. Ao contrário dos silos existentes, não era possível carregar um camião com cereais, nem transpor a sua capacidade de três milhões de alqueires para encher um vagão. O terminal foi construído especificamente para exportar cereais para fora dos Estados Unidos. Foi o primeiro de uma nova geração de silos de cereais da Cargill a utilizar controlos automáticos para esvaziar camiões e vagões de forma rápida e carregar os navios com cereais em tempo recorde.

As exportações de cereais tinham sido uma parte significativa do negócio da Cargill desde 1960, mas grande parte das operações da empresa centravam-se nas grandes capacidades de armazenamento e não na forma rápida e eficiente de transferir os cereais para navios oceânicos cada vez maiores. Erwin Kelm, presidente da Cargill entre 1960 e 1976, fez um inventário do envelhecido sistema de silos da Cargill e não acreditava que fossem capazes de lidar com o aumento previsto das exportações de trigo, milho e soja provenientes dos Estados Unidos. Fez uma previsão do futuro do mercado e começou a investigar a possibilidade de modernizar os terminais de cereais da Cargill.

Houston foi a primeira localização a ser escolhida por ser o ponto de chegada de todas as vias ferroviárias provenientes das planícies do Centro-Oeste dos Estados Unidos. Apesar da importância das barcaças para o transporte de cereais para os terminais de exportação do golfo, a Cargill precisava de ser capaz de utilizar vagões de grande capacidade como os utilizados no seguimento do investimento da Cargill em vagões-tremonha, em 1964, e em comboios-bloco, em 1967. O terminal de Houston abriu com uma capacidade total de 70 mil alqueires por hora, assegurados por cinco elevadores e controlos eletrónicos de alta tecnologia, não utilizados nos silos anteriores.

Durante os primeiros anos, o silo não teve grandes prestações e houve quem temesse que o investimento efetuado pela Cargill em terminais de exportação norte-americanos durante a recessão económica tivesse sido uma má decisão. Foi então que, em 1971, se deu um reviravolta, com um ano fraco para as colheitas da União Soviética e requisitos de expedição menos exigentes por parte do governo dos Estados Unidos. Graças a essa situação, a União Soviética adquiriu quase 1,6 mil milhões de alqueires de cereais norte-americanos — sendo a Cargill fornecedora de 28% desse total. Subitamente, a decisão de modernizar transformou-se numa jogada estratégica brilhante, e o silo de Houston recuperou duplamente o seu investimento com o volume necessário para fornecer apenas a União Soviética.

Clifford Roberts, chefe da divisão de cereais da Cargill, referiu: “uma das nossas grandes preocupações era não ficarmos de fora, queríamos a nossa parte. Não queríamos ficar à margem a ver os outros a fazer negócio. Mesmo que tivéssemos prejuízo, era algo que tínhamos de fazer. Tínhamos de estabelecer uma relação com eles.”

Todo o sistema de transporte de cereais dos Estados Unidos foi levado ao limite, mas a Cargill tinha apostado no aparecimento de um grande mercado de exportação que iria justificar estes tipos de terminais. Na verdade, o mercado não era apenas grande — era gigantesco. Os agricultores norte-americanos e os consumidores soviéticos foram beneficiados e, graças ao contínuo investimento da Cargill no transporte de cereais, o mundo continua a receber os cereais norte-americano através dos atuais terminais de exportação de grandes dimensões.