• Na Cargill, a equipa de fluidos dielétricos trabalha em colaboração com os fornecedores de serviços e de transformadores de todo o mundo para implementar soluções energéticas económicas e fiáveis.
  • Em 1998, a Cargill apresentou o Envirotemp™ FR3™, um fluido limpo e sustentável para transformadores, que utiliza o óleo de soja como base.
  • Em 2013, a TransnetBW, sediada na Alemanha, torna-se na primeira empresa de serviços de utilidade pública a energizar o maior transformador elétrico do mundo (420 kV) com fluido FR3.

Uma forma mais segura de fornecer eletricidade


Para fornecer ao mundo energia fiável e ecológica, a Cargill desenvolveu uma fórmula inesperada de fluido dielétrico.

Em todo o mundo, as empresas de energia estão continuamente a procurar formas mais seguras e eficientes de fornecer eletricidade às comunidades, tentando reduzir o impacto ambiental. Tem havido um interesse crescente na substituição do óleo mineral, que é um produto utilizado como isolador de transformadores — os dispositivos elétricos que transformam a energia elétrica entre os circuitos. Apesar de o óleo mineral ter sido utilizado como o principal fluido elétrico durante 30 anos, apresentava vários problemas. Era altamente inflamável, criava grandes problemas de limpeza e era tóxico para os peixes e vida selvagem.

A Cargill estava na vanguarda de uma nova ideia: o óleo vegetal. Ao substituir o óleo mineral pelo éster natural e renovável, a empresa começou a desenvolver um produto que iria melhorar o desempenho e os benefícios ambientais.

Em 1998, a Cargill apresentou o Envirotemp™ FR3™, um fluido para transformador que isolava os transformadores elétricos de alta tensão da mesma forma que o óleo mineral, mas que tinha óleo de soja como base. Para as empresas que começaram a utilizar o fluido FR3, os benefícios foram desde logo evidentes: o fluido possuía o dobro do ponto de combustão do óleo mineral — reduzindo significativamente o risco de incêndio — e incluía um transformador atestado com FR3, que tinha 20% mais capacidade que um atestado com óleo mineral. Para além disso, protegia o papel de isolamento do transformador durante cinco a oito vezes mais tempo que o óleo mineral, permitindo que o transformador durasse mais tempo. Por fim, revelou ser não tóxico e não perigoso para o solo e água e, mais importante ainda, era biodegradável, oferecendo vantagens significativas para empresas como a TransnetBW, uma operadora da rede de distribuição alemã preocupada com a sua pegada de carbono.

 

“O transformador a bio-óleo estabelece não só novos padrões de progresso técnico e desempenho, mas também em termos de proteção do ser humano e do ambiente.”— Rainer Joswig, CEO, TransnetBW

 

Em 2013, a Cargill recebeu o prestigiante prémio presidencial "Green Chemistry Challenge Award" da parte da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, pelo seu trabalho no desenvolvimento do fluido FR3. O produto é atualmente utilizado em mais de 750 mil transformadores em seis continentes, ajudando a alimentar um pouco de tudo, desde lares a hospitais, e a abrir caminho para métodos de distribuição da eletricidade mais seguros a nível económico e ambiental.
 

O FR3 aguenta temperaturas mais elevadasEm comparação com o óleo mineral, há muito utilizado nos transformadores elétricos, o óleo de soja utilizado no fluido FR3 aguenta temperaturas elevadas, o que impede o desgaste do equipamento.