• Em 1995, a Cargill apresentou novos concentrados alimentares, ricos em proteínas, a criadores de suínos nas zonas rurais do Vietname.
  • A empresa vende as rações à base de soja aos criadores de animais em sacos de 2 e 5 kg, que são mais fáceis de transportar e mais práticos para explorações familiares pequenas.
  • Através da realização de workshops de formação locais para milhões de criadores de animais, a Cargill oferece a oportunidade de os comerciantes de cereais dos Estados Unidos estabelecerem uma ligação direta com os criadores de suínos vietnamitas.

O começo do negócio no Vietname


Ao introduzir padrões mais elevados de nutrição animal, a Cargill capacita os pequenos agricultores do país e impulsiona a economia.

Em 1995, os Estados Unidos e o Vietname restabeleceram relações diplomáticas e, ao fazê-lo, ajudaram a abrir o mercado vietnamita ao comércio ocidental. A Cargill foi uma das primeiras empresas norte-americanas a entrar no Vietname em 1995, pois reconheceu que havia uma necessidade e oportunidade de melhorar a indústria de nutrição animal do país. Juels Carlson, que ajudou a Cargill a fazer a transição para outros países, como o Japão e a Rússia, criou um escritório só para si na cidade de Ho Chi Minh, no Vietname, em 1995. Centrou-se em resolver os problemas de nutrição animal do país, fomentando as relações com os criadores de animais de forma a compreender as suas necessidades.

Num ambiente ainda por desbravar, Carlson e a equipa da Cargill identificaram soluções que se adequassem à cultura vietnamita. Antes de 1995, os criadores alimentavam os seus porcos com uma dieta tradicional de farelo de arroz, vegetais e restos de peixe. Mas este tipo de alimentação prejudicava o crescimento dos porcos, levando à obesidade e fadiga. A Cargill introduziu concentrados alimentares à base de farinha de soja, ricos em proteínas, vitaminas e minerais essenciais que faltavam na dieta dos porcos. A empresa atualizou a sua farinha de soja, tornando a sua textura mais fina, para que os criadores pudessem misturá-la com água — uma prática agrícola vietnamita passada de geração em geração.

Uma vez que mais de 90% dos 18 milhões de porcos produzidos anualmente no Vietname são criados em pequenos grupos nas habitações dos seus criadores — em vez de grandes explorações — a Cargill ajustou o tamanho dos seus sacos de ração. Os sacos de ração de 2 kg e de 5 kg eram mais económicos e mais fáceis de transportar em motociclos. Em 1999, através de uma subvenção do U.S. Grains Council, a Cargill abriu a sua primeira fábrica de rações permanente no Vietname. Serviu como local de formação para ajudar os agricultores vietnamitas a tornarem-se mais eficientes na criação de suínos, criando simultaneamente um mercado maior para os produtos de cereais dos Estados Unidos.

Cargill reconhecida pelo Departamento de Estado norte-americanoEm 2000, a Cargill é reconhecida pelo Departamento de Estado norte-americano como a "melhor empresa norte-americana no Vietname".

Em apenas quatro anos, o escritório da Cargill no Vietname incluía já 250 pessoas e desenvolvia produtos e serviços sofisticados que beneficiariam os criadores locais mesmo no futuro. Desde 1997, a Cargill realizou workshops de formação a nível local para mais de 1,5 milhões de agricultores vietnamitas. A empresa recebeu vários prémios pelo seu papel no desenvolvimento da economia vietnamita, incluindo, um prémio do Departamento de Estado norte-americano, em 2000, que reconhecia a Cargill como "a melhor empresa norte-americano no Vietname". A presença da Cargill no país tem crescido, atingindo 1 100 colaboradores da área de nutrição animal e de outras indústrias importantes, como o cacau, ingredientes de alimentos e bebidas, e também cereais e oleaginosas.